Foto Divulgação

 

Apesar da proximidade da Semana Santa, a procura por peixes não está como os feirantes de Porto Velho esperavam. Para a maioria, as vendas ainda estão bem abaixo do esperado para esta época do ano. Os clientes que frequentam o local não estão satisfeitos com o valor e dizem que estão pesquisando bastante antes de comprar.

Feirante há mais de 7 anos, José Denilson diz que apesar de ainda estarem tímidas, as vendas devem melhorar quando estiver próximo do dia 30. “Todo ano é assim, o movimento fica fraco, os clientes começam a pesquisar, mas ai quando vai se aproximando da data as vendas aumentam gradativamente. Os preços estão todos iguais porque a gente compra tudo da mesma empresa e vendemos a R$ 10”, disse.

“Esse ano eu não vou aumentar meu estoque de peixe. Do jeito que as vendas estão, eu posso ter prejuízo. Então, decidi que vou comprar a mesma quantidade que compro sempre porque eu sei que vai ter muita concorrência no dia 30 e com valores até abaixo do que a gente já vende. Infelizmente não vai ter como dar desconto porque está aumentando o valor de revenda. Espero que essa semana agora, a procura aumente pra gente conseguir ter um aumento considerável nas vendas”, espera Fernando Silva que é feirante há mais de 20 anos. 

Joaquin Fonseca, de 38 anos, diz que não tem como baixar o preço dos peixes porque causa do valor que é vendido para eles. “Antes a gente pagava aproximadamente R$ 6 pelo peixe, mas ele aumentou e não tem como a gente baixar porque se não a gente não tem lucro nenhum. Tem peixe aqui que eu vendo no mesmo valor que eu compro porque se for aumentar ninguém os clientes não vão querer comprar”, diz.

Maria de Fátima, de 49 anos, frequenta a feira todo final de semana e diz que os preços estão iguais ao ano passado. “Como eu sempre compro peixe aqui porque acho mais barato, eu percebi que esse ano os valores estão igual os do ano passado, mas a gente sempre dá uma pechinchada pra ver se ganhamos um desconto e pesquisamos também. Eu só compro tambaqui porque acho mais barato que os outros e mais gostoso”, diz.

Mas há quem resolveu antecipar a compra, como é o caso de Francisca Silveira, de 40 anos, que frequenta a feira há mais de 8 anos. “Eu vim na feira hoje pra ver se consigo comprar peixe mais barato porque eu sei que, quando se aproximar da data, tudo vai ficar mais caro, até os temperos que usamos para preparar o peixe. Já pesquisei em outros lugares e achei tudo o mesmo preço com diferença de alguns centavos”, disse.

Coluna Ari Mota