A Polícia Civil do Amazonas, representada pelo delegado Jony Leão, titular da 36ª Delegacia Interativa de Polícia (DIP), situada em Rio Preto da Eva, município distante 57 quilômetros em linha reta da capital, falou nesta sexta-feira (08/02), durante coletiva de imprensa realizada às 14h30, no prédio da Delegacia Geral, sobre o cumprimento de mandado de prisão preventiva por latrocínio em nome de Jeferson Pires Gurgel, 33, conhecido como “Rato”. Ele é um dos envolvidos na morte do sargento da Polícia Militar do Amazonas (PMAM) da reserva Francisco Feitosa Gomes, que tinha 55 anos.

De acordo com a autoridade policial, o latrocínio aconteceu no dia 31 de janeiro deste ano, no sítio da vítima, situado no Ramal Manápolis, zona rural de Rio Preto da Eva. Na ocasião, Jeferson e um comparsa, Anderson Antônio Miranda das Chagas, 28, preso na última terça-feira (05/02) pela equipe do Departamento de Repressão ao Crime Organizado (DRCO), subtraíram o veículo modelo Saveiro, duas espingardas, uma motosserra e roçadeira pertencentes a Francisco.

“No dia da ação criminosa, a dupla foi até o sítio com a intenção de roubar objetos do lugar. Anderson e Jeferson avistaram a vítima e anunciaram o roubo, exibindo um terçado e uma faca. Francisco reagiu à abordagem da dupla e chegou a travar luta corporal com Anderson, que atingiu a vítima com três golpes de faca. Em seguida, Jeferson efetuou um tiro no peito do sargento, utilizando a arma de fogo que pertencia à vítima, ocasionando a morte de Francisco. O corpo do militar foi encontrado pelos familiares dele no último domingo (03/02)”, relembrou o delegado.

Jeferson foi preso pela equipe da 36ª DIP na manhã desta sexta-feira (08/02), por volta das 6h, em uma casa situada no quilômetro 54 do Ramal ZF1, naquele município. O fato ocorreu em cumprimento em mandado de prisão expedido no dia 6 de fevereiro deste ano, pelo juiz Carlos Henrique Jardim da Silva, da Comarca de Rio Preto da Eva. Em consulta do Sistema Integrado de Segurança Pública (Sisp), os policiais civis verificaram que “Rato” já responde a onze inquéritos policiais por roubo.

Jony Leão informou que, ao longo das diligências em torno do caso, os policiais civis contaram com o apoio da população, por meio de denúncias, para chegar até os infratores. “Policiais militares que atuam em Rio Preto da Eva, em conjunto com policiais civis da DIP de Manacapuru, conseguiram recuperar o automóvel de Francisco em Manacapuru. O carro havia sido vendido por R$ 500 para um morador daquele município, distante 68 quilômetros em linha reta de Manaus”, explicou.

O titular da 36ª DIP enfatizou que a faca e o terçado utilizados pelos infratores no dia da ação criminosa foram encontrados com um traficante do povoado de Manápolis. As equipes policiais recuperaram, ainda, as duas espingardas de calibres 20 e 28 e a roçadeira pertencentes a Francisco. Todos os objetos foram devolvidos aos familiares da vítima.

“Rato” foi indiciado por latrocínio. Ao término dos procedimentos cabíveis na 36ª DIP, o infrator será encaminhado ao Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM), situado no quilômetro oito da rodovia federal BR-174, em Manaus, onde deverá ficar à disposição da Justiça.

Programa Negócios News

Coluna Ari Mota

Facebook

Parceiros