Mesmo depois da imposição de multa de R$ 200 mil por dia e ainda R$ 20 mil por cada ônibus parado, os trabalhadores no transporte coletivo de Porto Velho decidiram na manhã desta quinta-feira pela manutenção do movimento grevista iniciado no dia anterior.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Empresas de Transportes Urbanos de Rondônia (Sitetuperon), Francinei Oliveira, a decisão foi unanime e eles só retornam quando o Consórcio Sim retomar o pagamento do reajuste de 4% retirado da categoria e ainda pagar o retroativo. Ele garantiu, no entanto que os portões das garagens estão abertos e quem quiser trabalhar não será impedido.

Na tarde de quarta-feira a vice-presidente do TRT de Rondônia, Socorro Guimarães, aumentou a multa estipulada ao Sitetuperon, caso não mantenha percentual mínimo de ônibus circulando, durante o período de greve da categoria. Decisão anterior da Justiça trabalhista determinou 90% da frota durante o horário de pico e 70% nos demais horários. Em caso de descumprimento haveria multa de R$ 100 mil por dia e R$ 10 mil por cada veículo parado.

A Prefeitura foi ao Judiciário novamente, pedindo o aumento da multa e bloqueio das contas do Sitetuperon. A desembargadora Socorro Guimarães, no entanto, apenas aumentou a multa, afirmando que não há como precisar o percentual de veículos paralisados, mesmo com o Consórcio Sim afirmando a paralisação de 100% da frota. A multa então foi majorada para R$ 200.000 por e R$ 20 mil por ônibus parado. Ainda na decisão, a desembargadora determinou audiência de conciliação para a próxima sexta-feira (10), às 14 horas.

Programa Negócios News

Coluna Ari Mota

Facebook